Personas: O que são, e como criar uma direcionada para advocacia

Personas: O que são, e como criar uma direcionada para advocacia

Persona é um termo que vem diretamente do marketing para o design, uma ferramenta fundamental para entender os clientes na área de advocacia, e saber exatamente o que fazer para obter fidelidade em relação aos clientes atuais, e assertividade na conquista.

 

O que é uma Persona

Persona é uma análise detalhada de como o seu cliente é, uma análise consistente da pessoa que compraria os seus serviços na advocacia. O nome persona já indica que detalharemos uma personalidade, uma pessoa completa, desde o seu nome, idade, gostos pessoais, trabalho, lazer, esportes, hobbies, etc. Quanto mais detalhada for a sua persona em relação ao segmento da área de advocacia, maior serão as chances de assertividade.

 

A importância da Persona para a advocacia

Para um advogado é essencial o conhecimento sobre o seu cliente, pois dentro da profissão trabalha-se a defesa de direitos humanos, então quanto mais o profissional conhecer o seu cliente, além de manter uma fidelidade, aumentará as chances de sucesso dentro dos seus trabalhos.

Para montar uma persona o simples ato de conhecer bem o seu cliente atual, já lhe ajudara muito, pois a persona não é algo que se invente a partir do nada, ela surge com base em pesquisa e análise de clientes atuais para o segmento trabalhado, neste caso, dentro da advocacia.

 

Diferença de Persona e Público Alvo

Quem trabalha e vive no meio da comunicação normalmente escuta a palavra público alvo, esta que diversas vezes acaba sendo confundida com persona. Mas acontece que elas são bem diferentes, ambas têm objetivos semelhantes, mas resultados diferentes, pelo nível de profundidade que cada uma alcança. Enquanto o público alvo visa conhecer superficialmente o seu cliente, a persona vai muito além, ampliando o seu conhecimento sobre aquela pessoa em questão.

 

Exemplo de Persona e Público Alvo

Público alvo: Homens e mulheres, casados, de 28 a 45 anos, renda média mensal de R$5.500, amantes da natureza, com filhos.

Persona: Juliana, casada, 30 anos, advogada, toca violão, prefere livros do que festas, sua bebida preferida é Martini, tem casa na praia, colocou o nome do seu filho com referência em filmes, gosta de lugares calmos, seu livro preferido é Pai rico, pai pobre.

É claro que a lista de uma persona é muito maior do que estas linhas, mas deu para perceber a diferença não é mesmo? Enquanto no público alvo você tem uma visão muito geral, no persona você literalmente gera uma personalidade. Você cria um nome, define a idade, os gostos, costumes, preferências, tudo que uma pessoa tem direito durante a vida, quanto mais detalhista for, melhor.

 

Dicas para criar Personas na advocacia

Você pode usar como base clientes atuais, analisando os seu hábitos e costumes, e anotar tudo no papel sem medir esforços, crie um nome, dê a profissão de acordo com a maioria dos seus clientes, analise se são mais introvertidos ou extrovertidos, defina os seus hobbies, entre outros fatores pertinentes. Uma dica é focar na área de direito que você costuma defender, e analisar o que faz os seus clientes precisarem de você, essa questão pode te proporcionar as respostas que precisa.

Compartilhe esse artigo com seus amigos!
×