Não é o Código de Ética da OAB que está impedindo a expansão da sua advocacia
Gostou? Compartilhe essa dica com seus amigos!
Não é o Código de Ética da OAB que está impedindo a expansão da sua advocacia
5 (100%) 2 votoss

O Código de Ética da OAB permite a compreensão que existem algumas limitações para evitar certas ações de marketing pelos advogados. Estas normas existem para preservar a sua imagem profissional e também dos seus colegas de profissão.

E não é para menos, mesmo com estas regras em vigor a adoção de métodos ultrapassados para a conquista da clientela está reduzindo drasticamente as  possibilidades de muitos advogados alavancarem o seu escritório de advocacia.

No artigo de hoje temos o objetivo de demonstrar que não é o código de ética da OAB que impede o crescimento profissional de advogados e escritórios de advocacia.

E temos como ponto de partida uma simples questão: como diversos advogados conseguem obter exito na conquista de novos clientes se eles são submetidos e respeitam a mesma limitação que você?

Quer saber como estes escritórios estão conseguindo encontrar novos clientes sem ferir código de ética da OAB? Saber sobre as melhores formas de alavancar o seu negocio trazendo uma grande demanda de clientes e assim aumentar o faturamento? Acompanhe aqui e agora.

Falando de limitações do Código de Ética da OAB

De maneira geral, as diretrizes do código de ética da OAB, restringe publicidades que conte divulgação em vias públicas como outdoors, panfletagem, painéis de luz, cartazes e informativos.

Também não é permitido:

  • Auto promoção, rebaixando os demais colegas, exibição de preços em anúncios (mesmo em caso de gratuidade), a veiculação da ação como advogado junto com atividades tangenciais.
  • Exposição do advogado em cima de atividades de cunho mercantil, exposição de clientes, informações errôneas, e prestar serviços mediante terceiros.
  • Promover o auto-engrandecimento nem saudar suas vitórias jurídicas. 

Tudo isso que resumimos como atividades de marketing agressivas.

Em contrapartida o Provimento n. 94/20000 considera a internet um meio lícito para a divulgação publicitária da advocacia, desde que obedecidos os princípios éticos que regem o marketing jurídico. E destaca ainda temas específicos como Facebook e Link´s Patrocinados.

É permitido que o advogado faça uma publicidade de maneira informativa, no qual inclui a apresentação profissional, suas características jurídicas, diplomas e títulos acadêmicos. 

Uma estratégia que vai de acordo com estas diretrizes é a utilização do Inbound Marketing, que é totalmente o oposto do que chamamos de Marketing Tradicional.

O Inbound Marketing é uma estratégia de marketing onde a advocacia pode criar conteúdos com caráter educativo, sem configurar a captação de clientela, produzindo artigos, ebooks e materiais que respondam as dores do seu público-alvo e sugerindo ações para prevenção destes problemas.

Assim abrindo muitas possibilidades de impulsionamento da advocacia sem infringir o Código de Ética da OAB e ainda por cima contribuindo para o mercado jurídico como solução de diversos problemas.

Então o Inbound Marketing é a resposta?

O Inbound Marketing é uma metodologia recente de atração de clientes pela internet, e já está sendo muito disseminada em diversos segmentos, para se ter uma ideia, diversas Agências de Publicidade vem migrando do método tradicional para esta metodologia já que permite, não apenas alcançar milhares de pessoas pela internet, como medir informações de conversão e métricas de interação dos clientes, algo que quase nunca foi possível no Marketing Tradicional.

Podemos afirmar que é a estratégia que mais se encaixa nas necessidades de marketing jurídico, pois apresenta diretrizes semelhantes ao apresentado no Código de Ética da OAB.

O Inbound Marketing, traz uma perspectiva contrária do convencional, onde o próprio cliente vai ao encontro de informações sobre a sua advocacia e serviços, e não o oposto.

Desta forma evitamos exposição exagerada dos serviços jurídicos e a infração do Código de Ética da OAB. Já que a advocacia vai desempenhar um papel de educador dos termos jurídicos, assim ganhando autoridade perante seus potenciais clientes e nicho de mercado.

Como a principal das ferramentas de educação você pode integrar ao seu site um Blog Corporativo, para publicação de conteúdos exclusivos, originais e de qualidade no sentido de informar a prevenir problemas comuns do seu segmento.

Assim, quando ele buscar por palavras relacionadas ao problema em qualquer buscador (como o Google) será direcionado aos artigos que você publica.

Até mesmo as redes sociais podem entrar nesta estratégia como um dos canais de divulgação dos artigos e uma forma de aproximação destes clientes mantendo um relacionamento digital.

Você terá a chance de educar verdadeiramente o seu público alvo, contribuindo com o desenvolvimento do mercado no qual atua e ainda tornando-se – de maneira natural – uma autoridade em seu segmento de atuação.

Para maior assertividade desta estratégia, o primeiro passo é verdadeiramente identificar necessidades específicas do seu público e qual a experiência sua advocacia possui na resolução destes problemas. Isso vai ajudar fortemente seu cliente a encontrar a solução para a dor que está passando. 

Assim você vai entender melhor como captar clientes na advocacia e mais, entender o que o seu cliente busca, e terá a possibilidade de otimizar sua oferta de valor e as estratégias obtendo melhores resultados das atividades do caso.

Do lado do cliente, isso demonstra uma sensação de organização e alto preparo da sua advocacia.

Conclusão: O Código de Ética da OAB não está impedindo seu crescimento

Uma máxima no universo do empreendedorismo (que foi disseminado através da série “O Sócio”) é que para expandir, qualquer empresa precisa de 3 P´s: Pessoas, Processos e Produto. No caso da advocacia podemos substituir Produto por Solução.

Uma vez que você consegue realizar essas ações e partir na direção do seu crescimento vai surgir muito trabalho a ser feito, começando por dentro do seu escritório, mas que vai valer a pena.

Para finalizar, concluímos que provavelmente não é o Código de Ética da OAB que está impedindo o crescimento da sua advocacia. Muitas vezes  é o comodismo e a mente fechada para inovações tecnológicas.

Deixe uma resposta